Como calcular a demanda de energia para a indústria?

Como calcular a demanda de energia para a indústria?

Quando a conta de luz chega, a nossa maior preocupação é, sem dúvidas, sobre o valor a ser pago. E quanto mais alto o consumo de energia, maior será o preço a se pagar naquele mês. Se os valores forem muito altos então, é chegada a hora de rever os hábitos de consumo para tentar economizar.

Em outro cenário, temos o setor industrial. Como podemos imaginar, a demanda de energia para a indústria é naturalmente superior à de uma residência comum, logo, o valor da fatura vai corresponder a este nível intenso e ininterrupto de consumo.

Mas você já parou para pensar que a medição do consumo de energia elétrica em uma residência não é o mesmo utilizado no setor industrial?

No artigo de hoje, vamos falar um pouco sobre como calcular a demanda de energia para a indústria, os grupos de consumidores e a estrutura da tarifa. Além disso, você também vai aprender a importância de calcular a demanda necessária durante a criação dos sistemas elétricos de um ambiente.

Classificação dos grupos de consumidores de energia elétrica

Para que o sistema elétrico seja eficiente, é preciso estar dimensionado e devidamente preparado para atender aos diferentes tipos de carga conectadas à ele.

Antes de tudo, é importante saber a diferença entre demanda e consumo. Os consumidores de média e alta tensão integram o Grupo A de tarifação, formado por indústrias de grande e médio porte.

O Grupo A deve dimensionar o volume de demanda de consumo e, posteriormente, comunicar a empresa distribuidora de energia da região para fazer a contratação do serviço. Já o Grupo B é formado por consumidores de baixa tensão, no caso, comércios e residências. Neste caso, o consumo é chamado de Demanda Contratada.

De maneira simples, a demanda é calculada a partir da demanda de potência (kW) que a empresa realiza ou necessita no momento após somar os valores de potência das máquinas, iluminação e demais equipamentos existentes na empresa.

Firmado o contrato com a companhia de energia, obrigatoriamente ela deve disponibilizar de forma contínua o valor de potência informada. Caso a empresa ultrapasse o valor de consumo acima do que foi contratado, serão cobrados multas, o que é chamado  de demanda de ultrapassagem, bem mais cara que a demanda contratada.

Na demanda, a empresa ou indústria deve obrigatoriamente pagar o valor inicial  contratado, mesmo que não o utilize por completo. Lembrando que a empresa solicitante do serviço tem tolerância de até 10% para aqueles cuja demanda contratada é de 34,5 kV ou menos, e de 5% para empresas atendidas cuja demanda é acima de 34,5 kV.

Cada empresa tem sua necessidade e forma de consumo de energia específica, portanto, cabe aos responsáveis encontrar um sistema eficiente para que assim o consumo de eletricidade ocorra de forma otimizada e econômica.

Estrutura da tarifa

Para entender a estrutura da tarifa de consumo de energia, é preciso entender em qual modelo tarifário a empresa está inserida, que pode ser Horo Sazonal verde ou azul.

A tarifa azul é cobrada de duas formas distintas; demanda em horário de ponta e fora de ponta. Os valores podem variar de acordo com a distribuidora de energia, o que vai influenciar diretamente no momento da análise de consumo.

Cálculo da demanda

O consumo de energia elétrica sofre inúmeras variações ao longo do dia e isso ocorre porque os pontos elétricos instalados nem sempre estão ligados ao mesmo tempo. Sendo assim, para calcular o valor de demanda de energia necessária, basta verificar o consumo de energia durante a instalação e dividir pelo tempo em que foi verificado o consumo.

Este procedimento é fundamental na fase de planejamento de obras, por exemplo, pois ajuda a criar os projetos de instalação elétrica (circuitos alimentadores do quadro de distribuição, ramal de entrada, etc) de forma mais realista. Além disso, outro fator positivo está na diminuição da corrente do projeto, as seções dos condutores alimentadores e o valor de corrente de proteção dos disjuntores.

Dicas para facilitar a otimização do consumo:

  • Reúna as tarifas dos últimos 12 e 24 meses e analise as parcelas de demanda ali presentes;
  • Observe na tarifa o tipo de regime em que a empresa opera (Azul ou Verde);
  • Anote os valores de cada mês (Excel ou outro aplicativo e software específico para medição) em dois modos: as demandas contratadas em cada mês e as demandas medidas em cada mês;
  • Fique atento se os valores de demanda contratada estiverem bem acima do utilizado. Caso isso aconteça, é provável que o valor esteja superdimensionado. Utilizando uma estratégia de redução no consumo, pode gerar uma economia mais rápida;
  • Caso a demanda contratada esteja sendo ultrapassada, não será difícil chegar ao valor da multa que a empresa poderá pagar.

***

É isso!

Este artigo te ajudou? Se sim, recomendamos você ler também o texto aqui do blog sobre dimensionamento de geradores de energia. Nele, te ensinamos o passo a passo para você saber qual é melhor grupo gerador para a sua empresa.

Compartilhar este post

Fique por dentro das nossas novidades. Assine nossa newsletter.